Assuntos relacionados do dia a dia da comunidade brasileira no Japão


    A SITUAÇÃO DO MUNDO, ANTE A ÁGUA.

    Compartilhe
    avatar
    NIEROZUMIEN

    Mensagens : 597
    Data de inscrição : 03/07/2009
    Localização : Japão

    A SITUAÇÃO DO MUNDO, ANTE A ÁGUA.

    Mensagem  NIEROZUMIEN em Seg Ago 17, 2009 8:35 pm

    HOJE, ÁGUA DE SERVIÇO PÚBLICO DO BRASIL E DO RIO TAMISA NA INGLATERRA,
    É ENGARRAFADA PELA COCA-COLA E VENDIDA A CINCO REAIS O LITRO.
    ISTO É MUITO MAIS CARO QUE A GASOLINA.


    Por:Rui Nogueira

    A água é mal repartida no mundo.

    A Ásia abriga 60% da população do mundo mas dispõe de 36% dos recursos de água do planeta.

    A população mundial triplicou nos últimos 50 anos; as superfícies irrigadas aumentaram seis vezes exigindo uma demanda de água que foi multiplicada por sete. Quadruplicou o consumo de água no mundo nos últimos dez anos.

    Há situação dramática quanto aos recursos hídricos.

    Nos Estados Unidos, um aqüífero fóssil, o Ogallala, oferece sozinho um quarto da água utilizada em irrigação no país. O aqüífero está reduzido à metade e existem áreas em que está poluído por produtos químicos e industriais despejados no solo.

    Na Guerra do Golfo, o aqüífero fóssil da Arábia Saudita foi poluído pelos solventes utilizados nos tanques e aviões dos exércitos ocidentais.

    Na China, há rio que tem sua água tão desviada que há períodos em que ela não chega ao mar.

    No Oriente Médio parte do conflito envolve água, que Israel precisa e não tem disponibilidade.

    No Brasil há muita água superficial, a dos rios, e depósitos aqüíferos subterrâneos. Temos de acordar, ficar alerta para que ela, como o bem essencial da vida, não seja apropriada como mercadoria e colocada num sistema semelhante ao do petróleo, com a implantação de um cartel para dominar as nascentes, a água do subsolo, as bacias hidrográficas, além dos serviços municipais, e águas engarrafadas.

    Apoderando-se das nascentes, as corporações transnacionais poderão estabelecer um sistema de distribuição de água para os que têm dinheiro. Os carentes ficam privados de consumi-la. A gravidade do problema é que podemos prescindir do petróleo e até usar substitutos. Com água isto é impossível.

    Dirão que a água não pode ser vendida do mesmo modo que o petróleo.

    Ledo engano.

    Bombeada dos aqüíferos, a água vai para reservatórios e, destes, aos portos de onde poderá ser exportada, condicionada em bolsas gigantescas, para ser distribuída pelo mundo, como se vê em fotografia do livro Água a luta do século , de Rui Nogueira.

    Transformada em mercadoria, a água pode ser comercializada nas bolsas de valores a preços manipulados para a obtenção de abusivos lucros por parte das grandes corporações.

    Hoje, água de serviço público do Brasil e do rio Tamisa, na Inglaterra, é engarrafada pela Coca Cola e vendida a cinco reais o litro. Isto é muito mais caro que gasolina.

    • O crescimento da população.

    • O aumento das necessidades dela decorrente.

    • A exigência cada vez maior por alimentos.

    • A produção alimentar desenvolvida à custa de irrigação.

    • As indústrias dependentes da água.

    Tudo nos leva a uma situação que reclama cautela para realmente haver a universalização do atendimento à humanidade.

    Os perdulários da água e os países dominantes têm de ser pressionados pelos organismos internacionais mas, infelizmente, eles estão cooptados pelas grandes corporações financeiras.

    A intensificação da exportação sem ressarcimentos do enorme consumo de água com produção e mais isenção de impostos é uma situação a ser revista com urgência.

    Imaginem: quando nós exportamos um caminhão de soja (que, muitas vezes, vai ser ração para bicho na Europa), a produção exigiu 100 caminhões de água. É isto mesmo, para se produzir um quilo de grão há necessidade de cem litros de água. E o transporte marítimo se faz em navios estrangeiros. Frete e seguros cobrados no exterior por estrangeiros das “trading companies”. Não há, portando, resultado para o país (relatório econômico da UNESCO sobre exportação).

    Não podemos aceitar as grandes corporações dominando a água, tem que haver uma administração por gestão comunitária.

    http://www.nacaodosol.org/conteudo.php?a=estudos&p=19&n=74

      Data/hora atual: Seg Out 23, 2017 2:32 am